fbpx

sexta, 21 de janeiro de 2022

Brasil: 98% dos pais não consideram escolas seguras para filhos LGBTI+

Pesquisa inédita, realizada em 17 estados brasileiros, identificou que 77% dos pais tiveram filhos que sofreram bullying transfóbico em escolas.

16 de dezembro de 2021

Compartilhe

(Foto: Divulgação)

O ambiente escolar brasileiro é hostil para crianças e adolescentes trans – e os principais autores de transfobia são os profissionais de instituições de ensino. Essa é uma das conclusões da pesquisa inédita “Vivências reais de crianças e adolescentes transgêneres dentro do sistema educacional brasileiro“, que está sendo lançada em formato de e-book.

O estudo foi realizado com apoio da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) e do Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/AIDS (UNAIDS). Foram entrevistadas 120 pais, mães e responsáveis que reconhecem ter uma criança ou adolescente transgênero, moradores de 62 cidades em 17 estados brasileiros.

A pesquisa foi realizada pela coordenação nacional da área de proteção e acolhimento a crianças, adolescentes e famílias LGBTI+ (lésbicas, gays, bissexuais, transexuais e travestis, Intersexo e outros) do Grupo Dignidade, ONG que atua há mais de 30 anos na promoção dos direitos da população LGBTI+.

77,5% dos pais disseram que filhos sofreram bullying transfóbico na escola

Entre as pessoas entrevistadas, 77,5% informaram que seus filhos, crianças e adolescentes, entre 5 e 17 anos, já foram vítimas de bullying transfóbico no ambiente escolar. Entre os adultos autores das violências, que podem ser físicas, verbais, emocionais ou cyberbullying, 65% eram profissionais das instituições de ensino, sendo que 56% deles eram professores.

24% das famílias mudaram as crianças de escola

A pesquisa mostra, ainda, que 24% das famílias mudaram as crianças e adolescentes trans de escola em decorrência de bullying transfóbico sofrido na instituição. Outro dado indica que 98% dos pais, mães ou responsáveis não consideram o ambiente escolar brasileiro seguro para suas crianças e adolescentes trans.

“Os dados obtidos pela pesquisa reforçam o que é sabido entre as mais de 200 famílias que já foram acolhidas: o ambiente escolar brasileiro pode ser de terror para crianças e adolescentes trans”, destaca Thamirys Nunes, da área de proteção e acolhimento a crianças, adolescentes e famílias LGBTI+, e coordenadora da pesquisa.

Bullying não é uma ação que ocorre apenas entre crianças

Segundo ela, os resultados deixam claro que o bullying não é uma ação que ocorre apenas entre crianças e que é preciso a intervenção das instituições e da sociedade para dar fim a este tipo de violência.

“O bullying e a discriminação acabam fazendo com que pessoas trans desistam dos estudos. Não devemos usar o termo evasão, pois não se trata de desistência. Elas são expulsas do ambiente escolar”, observa Thamirys, que é ativista pelos direitos trans infantojuvenis, mãe de uma criança transgênero e autora do livro “Minha Criança Trans: relato de uma mãe ao descobrir que o amor não tem gênero”.

Importância do estudo

Fundador e atual diretor executivo do Grupo Dignidade, Toni Reis destaca a importância do estudo. “Somente por meio da ciência, com trabalhos como este, é que conheceremos a verdade e a verdade nos libertará dos preconceitos foscos e muitas vezes discriminatórios que ocorrem com as crianças e adolescentes trans”, afirma.

“Os resultados da pesquisa corroboram nossos 30 anos de ativismo e militância LGBTI+, mostrando, nos retratos das realidades vividas e vivenciadas, a dificuldade da aceitação, o bullying na escola, o isolamento social por ser diferente do convencionalmente esperado.”

O impacto da descriminação na formação das crianças

Claudia Velasquez, Diretora e Representante do UNAIDS no Brasil, destaca a relevância do estudo para identificar como o estigma e a discriminação têm impacto direto em um momento fundamental de formação das crianças e adolescentes trans.

“O ambiente escolar deveria ser um espaço de acolhimento, de segurança e de aprendizagem da convivência com a diversidade. É muito importante que profisisonais de educação e equipes de administração escolar conheçam esta pesquisa, reflitam sobre os dados apresentados e busquem implementar políticas que combatam qualquer tipo de discriminação e estigma contra as criancas e adolescentes trans pelas quais são responsáveis”, reforça.

“A escola é considerada um território sagrado para a UNESCO e deve ser sempre um espaço de inclusão, plural e aberto para a diversidade e o respeito a todos os estudantes. Nossa expectativa é que, conhecendo esses dados, possamos contribuir para a construção de programas e políticas que tornem a escola mais inclusiva e contribuam para acabar com o preconceito e a discriminação”, afirma a diretora e representante da UNESCO no Brasil, Marlova Jovchelovitch Noleto.

A hormonização de crianças

A pesquisa também esclarece um ponto que causa muita controvérsia: a hormonização de crianças. Os textos explicam que terapias hormonais no Brasil só são permitidas a partir dos 16 anos e cirurgias para afirmação de gênero somente a partir dos 18 anos.

Terapias para bloqueio puberal, a fim de evitar o desenvolvimento de caracteres de gênero (pelos faciais e engrossamento da voz em meninas trans e crescimento de mamas e menstruação em meninos trans) só são realizadas em ambulatórios especializados do SUS (Sistema Único de Saúde) e seguindo protocolos de pesquisa, com rigoroso acompanhamento de equipe multidisciplinar. Para crianças e adolescentes, esse bloqueio só é realizado em duas unidades no país.

Ações propostas

Trazer a colaboração de profissionais das áreas de educação, psiquiatria, psicologia, direito e pediatria, que analisam os achados e sugerem ações para o combate à discriminação às pessoas transgêneras no ambiente escolar; formação contínua da equipe docente e administrativa sobre diversidade sexual e de gênero, o respeito e facilidade de adoção do nome social em ambiente escolar; garantia de uso de dependências como banheiros e vestiários de acordo com o gênero de identificação dos estudantes, contratação de profissionais da população LGBTI+ para assegurar diversidade e representatividade nas instituições, entre outras medidas.

Lançamento

O lançamento do documento, será realizado em dois eventos, sendo que o primeiro aconteceu no dia 10 de dezembro de 2021 (Dia Mundial dos Direitos Humanos), em Curitiba – cidade sede do Grupo Dignidade – e o segundo será em janeiro (com data a definir) na Casa da ONU em Brasília.

Onde acessar o e-book?

O e-book com os dados da pesquisa “Vivências reais de crianças e adolescentes
transgêneres dentro do sistema educacional brasileiro” esta disponível para download
gratuito através do link https://aliancalgbti.org.br/2021/12/13/criancas-e-adolescentes-trans-sofrem-hostilidade-no-ambiente-escolar-brasileiro-mostra-pesquisa-inedita/

Com informações da assessoria

Leia Mais:

Leia mais sobre Brasil

Reforço vacinal tem intervalo reduzido e imunossuprimidos terão 4ª dose

Redução no intervalo para a dose de reforço quer ampliar a proteção contra a variante Ômicron. No caso dos imunossuprimidos, o intervalo conta a partir da 3ª dose.

20 de dezembro de 2021

Covid-19: Rio de Janeiro confirma primeiro caso da variante Ômicron

Mulher, cuja identidade não foi revelada, tomou a segunda dose da vacina contra covid-19 em março e não tomou a dose de reforço. Ela chegou ao Rio vindo de Chicago.

20 de dezembro de 2021

Chuvas no Sul da Bahia causam mais duas mortes, indica governo

Segundo órgão baiano, ao menos 14 pessoas morreram e 276 ficaram feridas em função dos eventos hidrológicos. Até ontem, 63 cidades baianas já tinham decretado emergência.

19 de dezembro de 2021

Garoto sofre racismo em escola: “Saudade de quando preto era escravo”

Em mensagens compartilhadas em grupo, alunos de colégio de BH fizeram comentários de cunho racista. Família levará caso à polícia.

19 de dezembro de 2021

Câmara técnica citada por Queiroga é favorável à vacinação infantil

No sábado, ministro da Saúde, Marcelo Queiroga disse que tema requer análise aprofundada de técnicos, mas especialistas já se manifestaram a favor do tema.

19 de dezembro de 2021

Ninguém acerta a Mega-Sena; próximo sorteio é da Mega da Virada

São os seguintes os números sorteados: 02 - 08 - 34 - 38 - 47 - 51. O prêmio da Mega-Sena da Virada está está estimado em R$ 350 milhões.

19 de dezembro de 2021

Miguel e Helena lideram ranking de nomes mais comuns no Brasil em 2021

Gael é o terceiro nome mais escolhido entre os meninos no Brasil com 23.973 registros no ano de 2021, mostra levantamento da Arpen Brasil.

19 de dezembro de 2021

Queiroga anuncia redução do intervalo da 3ª dose de 5 para 4 meses

Objetivo da medida anunciada por Queiroga é ampliar proteção da população com avanço da variante Ômicron. Portaria com modificação será publicada na segunda-feira.

19 de dezembro de 2021